vacinação

Como melhorar a resposta imunitária após a vacinação

vacinação
As vacinas são uma das medidas sanitárias que proporcionaram o maior benefício para a humanidade. Tornaram possível a prevenção de doenças responsáveis por grandes epidemias ao longo da história, tais como a varíola. Há pouco mais de um ano, o covid-19 foi acrescentado a esta lista. Hoje precisamos mais uma vez de vacinação para parar a propagação do coronavírus e restaurar a normalidade.
As vacinas disponíveis provaram ser eficazes na prevenção da doença. No entanto, a magnitude e qualidade da resposta imunitária às vacinas varia consideravelmente entre os indivíduos. Vários factores podem influenciar a resposta a uma vacina. Alguns referem-se a características individuais, tais como idade, sexo, informação genética e a presença de outras patologias (tais como diabetes e doenças cardiovasculares, ambas ligadas a alterações no sistema imunitário).
Mas, além disso, a nossa resposta imunitária às vacinas pode variar em função das práticas diárias da nossa vida quotidiana.

Que hábitos podem melhorar a nossa resposta imunitária após a vacinação?

Um dos factores chave para promover o bom funcionamento do nosso sistema imunitário é dormir o número suficiente de horas, bem como controlar os níveis de stress.
A higiene adequada do sono permite-nos manter adequadamente os biorritmos que controlam a produção de hormonas que regulam o funcionamento do sistema imunitário, tais como a melatonina. Esta hormona é produzida durante a noite e a sua administração tem estado ligada à sobrevivência dos linfócitos e ao aumento da produção de anticorpos.
De facto, vários estudos mostraram como a falta de sono, tanto nos dias antes como depois da vacinação, pode reduzir a eficácia das vacinas.
As situações stressantes promovem a libertação de hormonas que suprimem a função imunitária, tais como o cortisol, e estão associadas a uma resposta reduzida à vacinação. Alternativamente, atividades de realização, tais como desporto ou socialização, promovem a libertação de hormonas imuno-estimulantes, tais como endorfinas.
Consistentes com esta ideia, os indivíduos que se dedicam a exercício moderado regular e estão de humor positivo no momento da vacinação desenvolvem uma maior resposta de anticorpos e outras moléculas que reforçam a imunidade (como as citocinas).

A importância de comer bem

Outro aspecto crucial para melhorar a eficácia de uma vacina é o seu estado nutricional ótimo. Vários nutrientes foram cientificamente comprovados como estando ligados ao sistema imunitário. Este é o caso da vitamina C e do ácido fólico, que desempenham ambos um papel importante na produção de moléculas eficazes contra infecções. Também a criação de colagénio, que contribui para a manutenção das nossas barreiras naturais contra os agentes patogénicos.
Contudo, estudos sugerem que deficiências isoladas de nutrientes parecem ter pouco impacto na resposta às vacinas, enquanto que uma dieta equilibrada, com uma ingestão energética equilibrada, parece ser a chave para impulsionar o sistema imunitário. De facto, pessoas com altos índices de massa corporal, e mesmo pessoas obesas, têm menor produção de anticorpos, linfócitos T e citoquinas após a vacinação.
Também vale a pena considerar a relação entre a microbiota intestinal e as respostas vacinais. A microbiota associada ao trato intestinal desempenha papéis-chave na proteção contra a invasão por micróbios patogénicos e na regulação do sistema imunitário. Esta microbiota abriga milhões de microrganismos, principalmente bactérias dos grupos Firmicutes e Bacteriodetes.
A composição desta microbiota é relativamente estável, e em condições normais tem uma maior abundância de Firmicutes, que está associada a uma maior resposta de anticorpos.

Antibióticos, tabaco e álcool

Contudo, algumas circunstâncias, tais como a existência de alguma patologia, alterações na dieta ou o consumo de antibióticos, podem produzir alterações na microbiota que afetam a nossa resposta à vacinação. Nestas situações, o consumo de probióticos que restabelecem o equilíbrio na nossa microbiota intestinal mostrou efeitos potencialmente benéficos na resposta à vacinação, embora pareça variar de acordo com as bactérias utilizadas, a dose ou a duração da administração.
Finalmente, o consumo de tabaco altera diretamente a nossa linha de defesa na mucosa respiratória, e tem sido associado a uma menor produção de anticorpos após a recepção de vacinas.
Da mesma forma, o consumo excessivo de álcool tem um efeito imunossupressor indesejável quando recebemos uma vacina; além disso, o álcool pode alterar a composição da nossa microbiota intestinal e as células imunitárias aí presentes, favorecendo a entrada de agentes patogénicos no nosso organismo.
A resposta imunitária à vacinação é variável na população. Alguns dos factores que podem influenciá-lo correspondem a hábitos diários que afetam o nosso estado imunitário, e conhecê-los pode ajudar-nos a modificá-los de modo a impulsionar o nosso sistema imunitário para que este responda eficazmente quando formos vacinados.
5

Sem comentários

Deixe aqui o seu comentário


Subscrever grátis

Subscreve a nossa lista de email e recebe artigos interessantes e actualizações comodamente na tua caixa de email.

Obrigado por nos subscrever.

Algo não correu bem...