fobia

O Que é uma Fobia? | Diferentes Tipos, Causas e Sintomas

Você tem um medo que parece não ter explicação? Muitas vezes temos medos que parecem não ter lógica, mas que por mais que tentemos, eles nos tornam quase impossíveis de enfrentar, mesmo que não representem um perigo real. Esse medo é precisamente uma fobia, que por sua vez é uma forma de transtorno de ansiedade. Por isso, é importante que você saiba o que é uma fobia, seus tipos, sintomas e causas, pois, embora existam fobias que parecem não nos afetar, há outras que até afetam o desenvolvimento normal da vida. Junte-se a nós para descobrir mais sobre as diferentes fobias que existem.
fobia

O que é e o que significa fobia?

Se analisarmos a sua etimologia, fobia significa: ódio ou medo, do grego Fobos, que também se refere ao Pânico, filho de Ares e Afrodite, deuses da mitologia grega. Como referimos, o principal é entender que uma fobia é um tipo de transtorno de ansiedade no qual está medo envolvido. É uma doença mental em que ocorrem mudanças de comportamento.
A ansiedade é definida como um sentimento desagradável ou sensação de medo que ocorre antes de um estímulo ou a antecipação de um estímulo que é interpretado como ameaçador. Essa sensação funciona como uma resposta do nosso corpo, cujo objetivo é nos proteger dessa ameaça. Por este motivo, não é considerada uma resposta negativa ou prejudicial; no entanto, representa um problema quando você não sabe como lidar ou controlar. Por exemplo, se essas respostas forem muito altas, constantes ou se houver dificuldade para retornar a um estado de relaxamento, é quando você deve pensar em procurar ajuda profissional para controlar o transtorno de ansiedade. Enquanto a ansiedade é uma resposta física a uma possível ameaça, o medo responde a um estímulo emocional à ameaça.
Poder falar sobre todas as fobias que existem é algo impossível, porque algo muito curioso e interessante é que na humanidade podem se desenvolver infinitas fobias, uma para cada objeto ou situação real ou intangível que existe no planeta. Isso é exatamente o que torna as fobias um tópico tão interessante: há tantas delas quanto há elementos no nosso habitat e cultura.

Os diferentes tipos de fobias

No mundo existem muitas fobias; Existem algumas fobias comuns que a maioria das pessoas consegue reconhecer, mas também existem as fobias mais raras do mundo, que podem parecer engraçadas e até absurdas, mas são muito reais numa certa percentagem da população. Embora não seja fácil estabelecer uma classificação para fobias, foram definidos  três tipos de fobias no campo da psicologia.

Fobia social

Um primeiro grupo de tipos de fobias é a fobia social. O que é fobia social? Nesse transtorno, a pessoa apresenta um medo irracional em qualquer situação em que seja exposta ao olhar e ao julgamento de outras pessoas.
Um exemplo claro desse tipo de fobia é a glossofobia (medo de falar em público) e a escopofobia (medo de ser observado), embora curiosamente esta última seja a única fobia também considerada específica (termo que explicaremos mais tarde).
Fobia social, não é que você não tenha interesse em se relacionar, como se costuma pensar, mas sim o medo que o paralisa e o impede de fazer.

Agorafobia

Certamente você já ouviu esse termo, agorafobia é o medo intenso de todos os espaços abertos, multidões e qualquer espaço ou situação da qual seja difícil escapar. Nestes tipos de fobia, geralmente ocorrem ataques de pânico, por isso é importante aprender a controlá-los.

Fobias específicas

Fobias específicas são o tipo de transtorno de ansiedade mais comum na população. Como o próprio nome sugere, uma fobia específica se refere a uma resposta de alto estresse ou ansiedade que ocorre na frente de um objeto ou situação particular. Dentro desse grupo, há cinco tipos de fobias:

Fobia de animais

Fobia de animais é obviamente o medo irracional de qualquer animal, não importa a espécie; Entre as mais comuns desse tipo de fobia estão: aracnofobia (medo de aranhas), ofidiofobia (medo de cobras), musofobia (medo de roedores), entomofobia (medo de insetos) e cinofobia (medo de cães).
Em casos um pouco menos comuns, mas também pertencentes a este grupo, encontra-se a buffonofobia ou ranidafobia (medo de sapos e sapos) e ailurofobia (medo de gatos).

Fobia do ambiente natural

Dentre os tipos de fobias, costuma ser muito comum e se refere a situações encontradas em qualquer tipo de ambiente.
Os maiores exemplos dessa fobia podem ser acrofobia (medo de altura), talassofobia (medo do mar / água), astrapfobia (medo de tempestades) e arsonfobia (medo de fogo).

Fobia ao sangue e agulhas

É claro que neste tipo de fobia específica encontramos outras fobias mais comuns, como hemofobia (medo de sangue) e tripanofobia ou belonefobia (medo de agulhas e injeções).
Dentro deste grupo, também existem mais fobias em relação a qualquer material cirúrgico ou cortante, o que pode causar diferentes lesões ao corpo.
O mais curioso sobre este grupo é que nem sempre existe um alto nível de medo, mas ocorrem respostas como desmaios e tonturas.

Fobias situacionais

Nessas fobias, sente-se um medo extremo de situações específicas, e podem ser encontrados diferentes tipos de fobias relacionadas com a agorafobia.
Os exemplos mais comuns dessas fobias são aerofobia (medo de voar), amaxofobia (medo de dirigir), monofobia (medo de ficar sozinho) e claustrofobia (medo de espaços fechados).
Tal como acontece com a agorafobia,são muito comuns neste grupo os ataques de pânico.

Fobias não categorizadas

Embora apenas os tipos anteriores de fobias específicas tenham sido determinados, existem muitas outras que não se enquadram em nenhuma dessas categorias e que tendem a ser fobias mais raras, como coulrofobia (medo de palhaços), torofobia (medo de queijo) ou até tripofobia (medo de buracos).

Causas das fobias

Ainda existem muitas coisas que não se sabem sobre as reais causas das fobias que existem, pois estas são variadas e podem depender do contexto de cada indivíduo. No entanto, as causas das fobias podem incluir:
  • Experiências negativas: As fobias podem surgir como consequência de uma experiência traumática ou negativa relacionada com o objeto ou situação em questão, da qual podemos nem mesmo estar cientes. Além disso, ouvir ou ver essas experiências negativas também influencia o desenvolvimento da fobia.
  • Genética: as fobias podem ser o resultado da genética e estar associadas às fobias ou ansiedade dos seus pais. Acredita-se que isso possa ocorrer como um comportamento aprendido com eles.
  • Função cerebral: acredita-se que as fobias sejam devidas a mudanças na atividade cerebral.
Por outro lado, foi estabelecido que existem certos fatores que podem aumentar o aparecimento de uma fobia. A idade é um fator de risco, surgem principalmente desde a infância, por volta dos 10 anos, embora também possam se desenvolver a qualquer momento da vida. Da mesma forma, acredita-se que o temperamento pode influenciar o desenvolvimento de fobias existentes, uma pessoa mais sensível, autoconsciente ou tímida pode ser mais propensa.

Quais são os sintomas de uma fobia?

A princípio, qualquer fobia pode parecer igual a qualquer medo, mas há vários indicadores ou marcas a serem levados em consideração. A primeira é que a resposta ao estímulo é exacerbada ou desproporcional. Para reconhecer isso, seria necessário avaliar o nível de dano ou dano causado por aquele estímulo ameaçador, se a resposta não for consistente, saberemos que é um transtorno.
Em segundo lugar, sabemos que é uma fobia quando o dano ou perigo percebido é subjetivo. Se esse objeto ou situação não representar um dano ou ameaça real, mas uma resposta de ansiedade ainda estiver presente, também é uma fobia.
Terceiro, um sintoma é o comportamento de evitação. Ou seja, são observadas fortes mudanças de comportamento, se novos comportamentos são adotados para não enfrentar aquela situação ou objeto.
Por último, um dos sintomas da fobia é que ocorrem mudanças ou dificuldades na vida. Por exemplo, quando oportunidades importantes são rejeitadas, como uma oferta de emprego, para não enfrentar aquele estímulo.

Existe cura para as fobias?

Diante de qualquer tipo de fobia, é melhor procurar o apoio de um especialista. Um profissional de saúde mental poderá avaliar seu caso particular e definir, de acordo com suas condições, o melhor caminho para superar sua fobia ou pelo menos controlar a ansiedade extrema que ocorre. Resumidamente, diremos que o tratamento mais utilizado é a terapia cognitivo-comportamental, na qual busca superar a fobia por meio da exposição ao objeto temido e também dos sintomas fisiológicos que ele produz. De qualquer forma, não tente fazer isso sozinho, pois pode ter consequências negativas. Neste sentido, pode haver momentos em que o especialista prescreva certos medicamentos, dependendo de cada caso.
Por outro lado, além de contar com ajuda profissional, você pode contar com diversas ferramentas que lhe permitem neutralizar os efeitos desse transtorno. A atividade física consistente é uma boa opção para se manter saudável. Desportos como ioga e exercícios respiratórios podem ser muito eficazes no controle da ansiedade. Da mesma forma, cuidar do seu descanso, das horas e da qualidade do sono são igualmente importantes. Por fim, para controlar os transtornos de ansiedade é importante evitar o consumo de certas substâncias estimulantes como cigarros, café e outras substâncias em excesso.
4

Sem comentários

Deixe aqui o seu comentário


Subscrever grátis

Subscreve a nossa lista de email e recebe artigos interessantes e actualizações comodamente na tua caixa de email.

Obrigado por nos subscrever.

Algo não correu bem...