trégua de natal

A Trégua de Natal – O incrível acontecimento de 1914

Ficaria surpreendido por saber que uma das curiosidades da Primeira Guerra Mundial traz consigo uma história feliz: a Trégua de Natal, um acontecimento histórico que passou completamente despercebido aos generais das tropas britânicas, francesas e alemãs, mas que se tornou numa das mais extraordinárias demonstrações de amor que o Natal pode trazer ao mundo.
Quer saber o que foi a Trégua de Natal? Hoje vamos conhecer tudo. Continue a ler e vai descobrir!
trégua de natal

A Trégua de Natal, uma história de paz

Todos sabemos porque é celebrado o Natal: não é apenas um momento para receber presentes e recordar o nascimento de Jesus Cristo, é também “uma oportunidade para um homem ser ele próprio”. De facto, estas palavras não são apenas uma das frases de Natal mais conhecidas, elas também ratificam o evento da trégua de Natal.
Como sabemos, quando eclodiu a Primeira Guerra Mundial, era tudo conflito e tensão, ninguém podia confiar em ninguém, especialmente no lado inimigo. O Natal desse ano, 1914, parecia um dia sombrio e cinzento em que os soldados nem sequer conseguiam pensar nas suas famílias. O fim da guerra estava longe e as perspetivas não eram encorajadoras.
Nessa altura, o conflito estava num impasse nas trincheiras. De um lado, a Frente Ocidental, onde os franceses e os britânicos se encontravam, e do outro, os alemães. Entre todos havia apenas uma separação de 80 metros entre as trincheiras, mesmo na fronteira entre a França, Alemanha e Bélgica. Mas nesse dia, antes de 25 de Dezembro, tudo mudou.

A Batalha de Ypres

De acordo com a história e mitos da época, nos últimos dias de 1914, a batalha de Ypres chegou a um impasse, e com ela, por alguns momentos, a guerra. Num pequeno campo de batalha cerca de duzentas e cinquenta mil pessoas tinham morrido. Havia um desejo crescente de acabar com a ofensiva de guerra antes do Ano Novo, mas, claro, a guerra só terminou quatro anos mais tarde.
Foi então que chegou a véspera de Natal e o referido campo de batalha da loucura foi iluminado por uma bela e brilhante lua cheia. Muitos dos soldados que formaram o exército britânico notaram com alguma excitação que os combatentes alemães não tiveram a inquietação de todas as noites anteriores. Pelo contrário, eles podiam ouvir canções de celebração, como se o Natal estivesse a ser celebrado!
A chamada “Trégua de Natal” começava a tomar forma, mas ainda ninguém sabia. De acordo com registos de arquivo dessa época, há registos de como alguns dos soldados viveram este evento: “Primeiro os alemães cantaram uma das suas canções e depois nós cantamos uma das nossas, eu pensei que era realmente algo extraordinário: duas nações cantando juntas a mesma canção no meio de uma guerra”. Este pequeno texto, escrito por um soldado britânico, reflete a emoção do momento.
Das trincheiras do exército alemão milhares de gargantas cantaram “Noite Silenciosa”, às quais os britânicos responderam imediatamente com as suas canções tradicionais. Estavam apenas a cerca de cinquenta metros das linhas inimigas.

Fora das trincheiras

Pouco a pouco, a tensão no campo de batalha dissolveu-se, o canto tornou-se cada vez mais alto, e os mais aventureiros decidiram sair das suas trincheiras… O que se passava… Primeiro vieram os alemães, que, com cartazes na mão e escritos em inglês, pediram o final da guerra. Depois seguiram-se os ingleses e os franceses. Todos estavam na “terra de ninguém”, sem tiroteios, sem mortes, em vez disso estavam com esperança e alegria; era a trégua de Natal!
Centenas de luzes estavam a brilhar, mas aparentemente as sentinelas já não disparavam. Estas luzes não eram mais do que árvores de Natal, que os soldados alemães tinham conseguido juntar com grande inventividade. Essa noite passou como um acontecimento extraordinário, eles sabiam que se os seus superiores ou mesmo o alto comando descobrissem o que tinha acontecido durante as tréguas de Natal, haveria fortes represálias. Era também um voto de silêncio juramentado, nenhum dos lados podia falar sobre o que tinha acontecido; mas o melhor estava ainda por vir.

Um dia de alegria

A passagem das horas entre a noite do dia 24 e a manhã do dia 25 dificilmente foi sentida, com certeza foi uma forma muito diferente de celebrar o Natal noutros países. Na manhã do dia 25, alguns soldados celebraram trocando presentes, não os típicos presentes novos e bem embalados que todos recebemos depois da passagem das renas do Pai Natal, mas sim objetos simbólicos e muito valiosos para os soldados: alguns partilharam as suas roupas, outros trocaram fotos das suas famílias e outros fumaram tabaco.
À tarde, até jogaram um jogo de futebol – emblemático! A trégua de Natal estava a alcançar o que nenhum tratado de paz alguma vez fez. Todos estavam reunidos no campo a cantar, a comer o que podiam e a divertir-se da melhor maneira possível. Claro que as condições não eram as melhores, todos esperavam regressar a casa em breve e com saudades de casa por não o conseguirem fazer. No entanto, contentavam-se com as tréguas de Natal.

Fim da trégua de Natal

Após 25 de Dezembro, com os seus espíritos um mais alegres e a sua energia renovada, cada soldado voltou à sua trincheira; a trégua de Natal tinha acabado; eles sabiam que era tempo de regressar à realidade que tinham abandonado durante algumas horas. O pacto ainda estava presente, mas foi durante pouco tempo. Mas para surpresa de muitos, o alto comando nunca respondeu ao comportamento dos seus soldados.
Esperamos que esta lembrança da trégua de Natal o tenha inspirado a celebrar a próxima época festiva da forma mais harmoniosa possível. Conte-nos, conhecia esta história, lembre-se que o lemos sempre!
7

Sem comentários

Deixe aqui o seu comentário


Subscrever grátis

Subscreve a nossa lista de email e recebe artigos interessantes e actualizações comodamente na tua caixa de email.

Obrigado por nos subscrever.

Algo não correu bem...