Categorias
Diversos

Que tipo de astro é Plutão?

Novos estudos refutam a afirmação que Plutão não é um planeta que possa ser considerado como tal.
Quem tem mais de 30 anos cresceu com o conhecimento de que existiam nove planetas no Sistema Solar, sendo o último deles e o mais pequeno, Plutão. No entanto, para as novas gerações de estudantes isto mudou há 15 anos, desde que em 2006 vários cientistas da União Astronómica Internacional decidiram que Plutão não era um planeta e por isso deram-lhe a qualificação de “planeta anão”, o que levou à insatisfação de muitos astrónomos que divergiam profundamente desta opinião.
Desde então que o debate tem sido uma constante entre os profissionais da área e agora, mais uma vez, tem vindo à tona: um estudo do cientista Philip Metzger da Universidade da Florida Central determinou que os astrónomos da IAU que baniram Plutão do grupo de planetas do Sistema Solar estavam errados.
Segundo estes peritos, para que um planeta seja considerado como tal, teria de cumprir três requisitos que, na sua opinião, Plutão não reunia completamente.
A primeira: o corpo celeste tem de estar em órbita à volta do Sol, algo que Plutão faz.
A segunda: tem de ter massa suficiente para com a sua própria gravidade ter a forma de uma esfera, e neste Plutão também cumpre o requisito.
No entanto, é o terceiro requisito que em 2006 retirou a Plutão o estatuto de planeta, uma vez que neste caso um planeta deve ser o objecto com maior influência gravitacional na sua área. E de acordo com a IAU Plutão não é porque está sob a influência gravitacional de Neptuno.
No entanto, o cientista planetário da Florida não pensa assim em relação ao terceiro requisito e o seu estudo pode mudar o curso dos acontecimentos. De acordo com a sua investigação, não há nenhum apoio no campo científico que indique que é necessário um planeta para limpar a sua órbita. Só encontrou um documento de 1802 que assim o referia e que se baseou num raciocínio que desde então foi refutado.
Neste sentido, Metzger considera a definição da IAU algo descuidada, porque, segundo ele, não é muito claro o que queriam dizer quando disseram que um planeta tinha de ter uma órbita clara, uma vez que nesse caso não haveria planeta que pudesse ser considerado como tal. É por isso que o cientista propõe classificar um planeta com base no facto de a sua gravidade lhe permitir ter uma forma esférica, algo que Plutão cumpriria. Além disso, o cientista acrescenta outras virtudes que Plutão tem em detrimento de outras: é mais vivo e dinâmico do que Marte e tem uma geologia só superada em complexidade pela da Terra.
No entanto, esta não é a primeira vez que os cientistas discordam das definições de um planeta. Em 2017 um grupo da NASA quis propor uma nova definição que daria novamente a Plutão o estatuto de planeta, embora tenha sido descartada porque algumas luas e outros corpos no sistema solar também teriam sido considerados planetas se tal tivesse sido aceite.
Contudo, de momento não há nenhuma petição oficial propondo a revisão do estatuto de Plutão, pelo que, por enquanto, o estudo de Philip Metzger pode permanecer apenas isso, um estudo.
O que parece ser claro é que esta não é a primeira vez que este debate está sobre a mesa e tudo indica que não será o último. Afinal, este tipo de confrontos entre astrónomos é muito comum no circuito científico e permitiram que grandes descobertas fossem feitas dessa forma.
Plutão, claro, está a sofrer significativamente devido aos debates, especialmente depois de a sua identidade original ter sido mudada para o transferir para outro tipo de grupo de astros e deixá-lo à parte dos planetas “comuns”.
Agora o grande problema que a comunidade astronómica enfrenta é descobrir se as alegações feitas pelos cientistas para retirar Plutão da lista de planetas estão erradas. Isso marcaria um sério ponto de viragem na indústria astronómica e mudaria mais uma vez o atual entendimento da sociedade sobre Plutão.
Talvez no interesse de evitar que tais incidentes se repitam, o que aconteceu com Plutão deveria ser analisado com mais profundidade, dado que embora se trate de uma situação “desconfortável”, pode impedir que tais situações se repitam no futuro.
Infelizmente, como dissemos, parece haver pouca intenção de retomar o assunto e, de momento, as autoridades científicas preferem ignorar o problema, tendo em conta o facto de não terem provas muito tangíveis de que o que foi determinado nos últimos anos necessita de ser revisto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *