Categorias
Curiosidades

Ol Doinyo Lengai, a montanha dos deuses

Embora nós vejamos o Ol Doinyo Lengai como um simples estratovulcão situado no Vale do Rift dentro da região de Arusha (Tanzânia), para os Massai este lugar é nada mais, nada menos do que a casa de Deus, sendo precisamente isso o que significa o nome: Montanha de Deus. O seu cume atinge os 2890 metros de altitude, sendo um lugar de grande interesse para os geólogos e vulcanólogos com as suas erupções de lavas carbonatíticas (a última ocorreu em 2008) que deram lugar a caprichosas e belas formas, conferindo ao local a sensação de ser um sítio único em todo o mundo. Para além disso, este é o único de todos os vulcões activos que apresenta este tipo de erupção, descoberta pela primeira vez nos anos 60.

A lava tem uma composição abundante em silicatos, sódio, potássio e carbonatito (uma rocha com mais de 50% de minerais carbonáticos), pelo que não necessita de temperaturas altas para que ocorra uma erupção, apresentando a lava destas erupções temperaturas entre os 500 e os 600ºC. As erupções do Ol Doinyo Lengai são relativamente frias (comparativamente aos outros vulcões) e tem ainda como característica o facto de não possuir o típico brilho associado à lava vermelha que se costuma ver nas erupções ditas “normais”. Esta diferença torna-se mais patente à noite quando a sua luz é apenas um leve brilho avermelhado e insuficiente para iluminar a escassos metros.

Devido à peculiar composição da sua lava, esta comporta-se quase como se de água se tratasse por ser extremamente fluída, e ao solidificar-se torna-se numa espécie de pé branco-acinzentado. Isto é explicado pela presença na lava de carbonato de potássio e também dá a esta zona um aspecto e cor característicos, diferente dos outros vulcões do mundo. Desde a sua última erupção importante que foi registada em Julho de 2007, que a sua actividade tem sido intermitente, alternando períodos de inactividade com erupções até ao mês de Abril de 2009, data em que parece ter voltado a um relativo estado de calma.

 

Foto via: nationalgeographic

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *