Categorias
Curiosidades

O Capitão que naufragou duas vezes, no mesmo local e com barcos semelhantes

Esta história começa na segunda guerra mundial, quando o presidente Roosevelt colocou em marcha um programa de construção de barcos de carga para substituir os barcos atingidos pelos torpedos dos submarinos alemães.

Roosevelt declarou que esses barcos “trariam a liberdade à Europa”, e desde então foram chamados de “Liberty Ships”. Durante o decurso da guerra construíram-se 2.751 “Liberty Ships”, e todos eles com o mesmo desenho (“Twin Ships” ou “Barcos Gémeos”) para facilitar assim a sua produção em massa.

Quando terminou a guerra, a maioria destes barcos permaneceu ao serviço como navios mercantes.

A partir de 1947, muitos deles foram vendidos e empresas de navegação em todo o mundo.

A maioria foram rebaptizados quando mudaram de dono. Mais de 20 anos depois da sua construção, dois dos “Liberty Ships” são os protagonistas da nossa história. O primeiro destes barcos, com o nome original de SS Allen G. Collins (29 de Março de 1945), foi vendido a uma empresa de navegação francesa em 1947, e finalmente adquirido em 1963 por outra empresa do Panamá com bandeira da Libéria.

Foi rebaptizado com o nome de “Ever Prosperity” (Sempre prosperidade). O segundo barco, também foi vendido em 1947 e igualmente acabou com base no porto de Monróvia (Libéria). Curiosamente, este segundo navio também foi rebaptizado com o mesmo nome: “Ever Prosperity”.

Mas os acasos não terminam aqui. O mesmo destino também quis que ambos os barcos terminassem os seus dias encalhados nos mesmos recifes da Nova Caledónia, e que fossem “guiados” até ao seu triste destino pela mesma pessoa, o nosso terceiro protagonista: um capitão coreano de que nada mais se sabe.

Em 26 de Fevereiro de 1965 o primeiro “Ever Prosperity” encalhou na barreira de recife da costa oeste da Nova Caledónia. Cinco anos depois, no dia 3 de Julho de 1970, e sob o comando do mesmo capitão, o segundo “Ever Prosperity” também se viu envolvido numa violenta tempestade na mesma costa da Nova Caledónia.

A visibilidade era praticamente nula e o recife apareceu repentinamente à frente do barco no meio do nevoeiro denso. O nosso capitão voltou a cometer o mesmo erro, e ainda que tentasse rapidamente mudar o rumo do barco, já era demasiado tarde.

Pouco depois chegou ao local um rebocador que esperou a subida da maré para tentar resgatar o barco, mas após várias tentativas não foi possível o resgate. Hoje em dia, os restos oxidados de ambos os barcos serve de distracção e curiosidade aos turistas que sobrevoam o recife de coral e de todos os que praticam mergulho nestas água paradisíacas, embora perigosas como se viu.

Curioso, não? Espero que tenha gostado deste história, e que quando subir a um barco, tente saber quem é o capitão do barco, pois nunca se sabe se o capitão desta história ainda não andará por aí…

Um comentário a “O Capitão que naufragou duas vezes, no mesmo local e com barcos semelhantes”

Eu tenho uma fobia muito estranha, e é por navios assim nesse estado; essas duas embarcações, especificamente, estavam me atormentando faz muito tempo, foi bom encontrar uma história tão completa sobre eles, ainda que não tenha ajudado muito com esse meu medo bizarro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *