O ”balconing”, um jogo perigoso que se difunde através da Internet

O ”balconing”, um jogo perigoso que se difunde através da Internet

Chamam-no de “balconing” e não é um desporto radical. Este jogo perigoso começou a popularizar-se à cerca de dois anos e passaria despercebido se não houvesse Internet, onde se colocam os vídeos dos saltos como se fosse uma façanha.

Davide Di Rienzo, italiano de 26 anos, foi a última vítima do “balconing”.

Faz uma semana que se lançou do sétimo piso de um hotel em Ibiza e, em vez de cair na piscina, caiu sobre o bar. Apenas uma semana antes havia também acontecido um caso semelhante em Maiorca: um britânico de 25 anos morreu após saltar de um quinto andar.

“Balconing” é um termo alusivo a desportos radicais como o bungee jumping (saltar de uma ponte atado a uma corda). Mas o que há por trás do “balconing” e das suas vítimas?

“Não é um fenómeno actual nem moderno. Os comportamentos de risco sempre existiram mas nunca se falou neles como agora. Anteriormente já havia jogos perigosos como saltar de um carro para outro pelas janelas dos carros em andamento, mergulhar do penhasco mais alto para o mar ou praticar surf sobre os comboios como no Brasil”, explicou à BBC Mundo o psicólogo Enrique García Huete, da Quality Psicólogos, que segue o fenómeno do “balconing” em Espanha.

O balconing é um fenómeno de jovens que se sentem heróis quando na realidade são uns kamikazes. Ao risco junta-se a desinibição de estar num lugar onde ninguém os conhece. A maioria das vítimas e feridos do “balconing” são turistas, especialmente britânicos e alemães.

“É um turismo jovem e barato. Há agências de viagens que alugam hotéis e edifícios inteiros para grupos, logo chega a festa, o álcool e substancias alucinogénas. Como em qualquer grupo há gente que ama o risco, que não antecipa os problemas e que quando se sente desinibido resolve saltar do primeiro piso. Uma vez que um salte, os restantes também saltam para ver quem tem mais valor”, avisa o especialista.

Nada disto vale a pena se se pode perder assim a vida!

Sem comentários

Deixe aqui o seu comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.


Subscrever grátis

Subscreve a nossa lista de email e recebe artigos interessantes e actualizações comodamente na tua caixa de email.

Obrigado por nos subscrever.

Algo não correu bem...