mitos gregos

15 Mitos Gregos Curtos  | Histórias épicas dos deuses do Olimpo

mitos gregosA mitologia grega fundou a primeira grande cultura do mundo ocidental. Numa época em que o mundo era uma grande e estranha quimera para o homem, os mitos ajudavam a explicar e compreender os fenômenos da vida e da natureza. Protagonizadas pelos grandes deuses gregos e os deuses do Olimpo, os mitos gregos exploram as relações entre eles e com deuses de escalão inferior, ninfas, heróis, titãs e outros seres mitológicos, relações essas que costumavam ser tempestuosas e deram origem a inúmeras histórias e lendas.
Essas são histórias que tentaram explicar aspectos do comportamento humano, como inveja, luxúria, agressividade e assim por diante. Mas esses mitos gregos também foram mais além, procurando dar sentido aos fenómenos naturais (como por exemplo, a existência de vulcões, constelações e terríveis tempestades, entre outros) e eventos inexplicáveis como o desaparecimento de pessoas ou certas doenças.
Mircea Eliade, filósofo e historiador das religiões, descreveu o mito como “uma história sagrada que narra um acontecimento ocorrido em uma época primitiva, em que o mundo ainda não tinha sua forma atual”. Como já referimos, muitos mitos gregos tentam explicar a repetição periódica de alguns eventos da natureza.
Por mais estranho que nos possa parecer alguns desses mitos gregos vistos numa perspectiva atual, a ponto de nos fascinar, transmitiam às pessoas da sua época uma certa tranquilidade, bem como uma ordem do mundo e da vida. Por isso, hoje queremos que você se junte a nós para descobrir a nossa seleção de mitos gregos.

15 mitos gregos curtos dos deuses do Olimpo

Mito de Perséfone

O primeiro dos nossos mitos gregos curtos é o mito de Perséfone, filha de Zeus e Deméter. A história conta que Hades a sequestrou quando ela estava no campo colhendo flores com outras deusas e a levou rapidamente para o submundo. Percebendo sua ausência, a sua mãe, Deméter, deusa protetora da natureza, procurou por ela sem sucesso enquanto o mundo parava.
Zeus finalmente decidiu intervir e forçou Hades a devolver Perséfone. Hermes foi enviado para a resgatar, tendo Hades a deixado ir com a condição de que ela não comesse nada durante a viagem. No entanto, o próprio deus do submundo enganou-a e a menina comeu 4 grãos de romã. Como punição, Perséfone teve que retornar a cada ano durante quatro meses para o reino de Hades.
Esses meses corresponderam ao inverno, uma época em que a terra se tornou um deserto árido. Quando Perséfone e Deméter estavam novamente juntas, a terra florescia, especialmente durante a primavera, que foi o momento da reunião.

Mito do nascimento de Atenas

Quem era Atena? Atena era uma dos doze deuses do Olimpo, mais especificamente a deusa da sabedoria, ciência, justiça, guerra, civilização e habilidade. O seu nascimento prodigioso é fundamental para a mitologia grega, e é por isso que não podíamos ignorá-lo em nossos mitos gregos.
Entre os mitos de Zeus, diz a lenda que ele engravidou de um oceanide chamado Metis. Quando ela estava em um estado avançado de gestação, profetizaram a Zeus que ela teria filhos mais poderosos do que ele que o poderiam derrubar. Para solucionar esta situação, ele decidiu engolir Metis para a impedir de dar à luz. Porém, a gravidez continuou o seu curso dentro do deus do trovão, sem que ele soubesse.
Como consequência, Zeus começou a ter fortes dores de cabeça Para resolver, pediu a Hefesto que removesse o que estava causando o desconforto de sua cabeça, abrindo-a com um machado. O crânio de Zeus se abriu, Atena emergiu, totalmente formada, adulta e com os atributos de um soldado hoplita: capacete e lança.

Mito de Prometeu e o fogo

Nesta lista de pequenos mitos gregos, o mito de Prometeu é de extrema importância. Prometeu era um titã amigo dos humanos. Zeus havia decretado que o fogo deveria permanecer no Olimpo e não ser dado aos homens, mas Prometeu não concordou com a decisão. Aqui as versões diferem, mas coincidem ao dizer que Prometeu e alguns explicam que ele entrou sub-repticiamente na oficina de Hefesto e pegou algum carvão de uma das fornalhas, enquanto outros apontam que ele se aproximou da carruagem de Apolo e roubou algumas fagulhas com as quais acendeu uma tocha que deu aos humanos.
Como punição pelo roubo, Zeus o condenou a permanecer eternamente acorrentado a uma rocha na qual uma águia comeria seu fígado todos os dia. Todas as noites, seu fígado se regenerava e a águia o comia novamente no dia seguinte.
Felizmente, Hércules libertou-o com a aprovação de Zeus, que viu nessa ação um ato que glorificava o seu filho. No entanto, Prometeu deveria usar para sempre um anel adornado com um pedaço da rocha à qual esteve amarrado.

Mito de Orfeu e Eurídice

Vamos ao quarto de nossos curtos mitos gregos, que conta a história de Orfeu e Eurídice. Orfeu foi um personagem muito popular nos mitos gregos, pois, quando começou a tocar sua lira tinha o poder de fazer descansar as almas dos que se reuniam para ouvi-lo: domava feras, conseguia mover pedras, vegetação e até parar o curso dos rios.
Eram também mágico e astrólogo. Um dos Argonautas que acompanharam Jasão em busca do Velo de Ouro. Euridice apaixonou-se por ele ao ouvi-lo tocar. Eles casaram-se, mas infelizmente, um dia ela foi picada por uma cobra e morreu. Orfeu, desesperado, decidiu descer ao submundo para resgatar a sua amada. Com sua música ele conseguiu adormecer o guardião e chegar até ela. Hades e Perséfone ficaram com pena dele e ficaram tão comovidos com suas canções tristes que permitiram que ele levasse Eurídice enquanto andasse na frente dela e não virou a cabeça para olhar para trás até que estivessem fora do submundo e o sol banhasse a mulher.
Fizeram isso, mas quando á estavam do lado de fora, Orfeu olhou para trás para vê-la, sem perceber que o sol não banhava completamente a anatomia de sua esposa: um pé havia ficado na sombra. Euridice desapareceu e voltou ao submundo, desta vez para sempre. Quando Orfeu morreu, despedaçado por algumas bacantes trácias, a sua alma reuniu-se com a da sua amada e a partir daquele momento eles não se separaram mais.

Mito de Aracne

Este mito grego explica a criação da arte da tecelagem, como uma imitação do trabalho que as aranhas fazem. Aracne era filha do tintureiro Colofão e tinha grande habilidade para bordar e tecer. Todos elogiavam as suas obras, de tal forma que ela se tornava vaidosa e afirmava que suas obras eram superiores às de Atena que era, entre outros títulos, deusa dos ofícios.
Atenas, embora zangada, queria dar à jovem a oportunidade de se retratar e não ofender os deuses. Então um dia ela a visitou disfarçada de velha, mas a menina, em vez de retirar suas palavras, zombou dos deuses e desafiou a velha mulher para um concurso de bordados. Atena tirou o disfarce e a competição começou. Enquanto a deusa tecia uma cena de sua vitória sobre Poseidon, Aracne bordava uma tapeçaria na qual podiam ser vistos 22 episódios de deuses cometendo infidelidades. No final da competição, Atena reconheceu a perfeição do trabalho, mas ficou tão irritada com o desrespeitoso tema escolhido que destruiu o pano e o tear, acertando na cabeça da jovem com a lança. Aracne percebeu o erro que havia cometido e, envergonhada, se enforcou. Atena teve pena dela no último momento e transformou a corda numa teia e a própria Aracne numa aranha. Aracne, como aranha, ensinou à humanidade a arte da tecelagem.

O mito de Hefesto e a origem do seu coxear

Entre estes mitos gregos, a explicação para a origem do coxear de Hefesto não poderia estar ausente. Filho de Hera e Zeus, desde a mais tenra infância Hefesto provou ser capaz de criar objetos úteis e bonitos com as mãos.
Novas invenções estavam sempre sendo planeadas na sua mente, que surpreendiam os próprios deuses. À medida que crescia, foi-lhe permitido viver no Olimpo e lá os seus projetos se tornaram cada vez mais maravilhosos: um calçado mágico que permitia andar no ar e na água como se fosse terra seca, uma capa de invisibilidade e talheres de ouro e prata que se retiravam sozinhos da mesa.
No Olimpo, Hefesto tinha sua própria forja e uma oficina onde treinou os seus servos para o ajudar. Este não era seu único local de trabalho, pois na terra, onde quer que houvesse um vulcão, Hefesto tinha uma forja.
Um dia, Hera enfureceu Zeus e Zeus pendurou a sua esposa de pés e mãos amarrados a meio caminho entre o céu e a terra. Hefesto, antes do castigo cruel do seu pai, decidiu libertá-la. Mas a sua tentativa apenas aumentou a raiva de Zeus, que lançou um raio com tanta força que Hefesto foi lançado do céu, ficando gravemente ferido na queda e eternamente coxo. Zeus não permitiu que o seu filho voltasse ao Olimpo e o forçou a permanecer na ilha onde havia caído. Lá ele conseguiu se recuperar e procurar atividades para se divertir, mas, infelizmente, lá tinha uma forja para fazer suas criações.
Um dia, após um terremoto tremendo, um vulcão formou-se próximo da ilha. Lá Hefesto encontrou a sua forja, e com uma nova oficina ele foi capaz de criar novos raios que deu de presente a seu pai. Zeus, grato, permitiu que ele voltasse para a casa dos deuses. Assim, Hefesto recuperou seu lugar, mostrando a sua bondade ao tentar salvar a mãe e o seu valor. O seu coxear se tornou lendário.

Mito do nascimento de Afrodite

Afrodite nasceu da espuma do mar. O mito conta que ela nasceu durante a Guerra dos Titãs ou Titanomaquia, quando o titã Cronos cortou os órgãos genitais de Urano e os deitou no mar. Um mito também conhecido como castração de Urano.
Dessa parte cortada do corpo surgiu uma espuma, que deu origem a uma mulher adulta. Movida pelo vento, esta nova deusa veio a flutuar até a costa e a primavera cobriu a sua nudez, vestindo-a. É um daqueles curtos mitos gregos que inspiraram tantos artistas.

Mito de Atalanta

Este é um mito grego protagonizado por uma mulher de sucesso. Atalanta foi uma jovem caçadora de prodigiosa agilidade, conhecida por ser a corredora mais rápida de seu tempo, que decidiu se consagrar e permanecer virgem, sem se casar, apesar do que muitos homens que não a deixaram de tentar conquistar. Para os evitar, Atalanta decidiu que o único homem com quem se casaria seria aquele que conseguisse vencê-la numa corrida. Qualquer um que tentasse, mas perdesse, seria executado. Apesar da ameaça, isso não impediu os pretendentes de tentar e pagar a penitência com a vida.
Um dia, um grupo de imprudentes pretendentes decidiu tentar a sorte e escolheu um menino, Hipomenos, como juiz da corrida. Na competição, Atalanta provou que sua fama era bem fundada, logo deixando os homens para trás. Ele venceu a corrida e os pretendentes foram retirados do local, para enfrentar seu destino. Foi então que Hipomenos, que fora o juiz da corrida, pediu para tentar obter a mão de Atalanta.
Atalanta ouviu seu apelo e sentiu uma profunda tristeza, pois era um menino muito jovem, gentil e bonito. Se dependesse dela, ela o teria deixado vencer para o salvar da morte. No entanto, os espectadores a pressionaram para se preparar para vencer Hipomenos e ela fez uma promessa. Enquanto isso, o jovem confiava em Afrodite pedindo a ela que lhe concedesse velocidade. Afrodite, que já havia usado as suas artes para cortejar Hipomenos com Atalanta, se aproximou do menino sem ser vista e lhe entregou três maçãs de ouro.
O jovem Hipomenos usou essas maçãs, com a ajuda de Afrodite, para vencer a corrida contra Atalanta e, ao cruzar a linha de chegada, sua emoção era tanta que não conseguia acreditar na sua sorte. Ele seria o marido de Atalanta. A jovem, por sua vez, estava feliz por ver a vida do menino salva e por poder passar a vida com alguém tão valente: depois de ser tanto tempo perseguida, ela havia perdido um pouco o gosto pela perseguição e caça de animais. O mito de Atalanta faz parte também dos mitos sobre Afrodite.

Mito de Hilas

Na sua jornada em busca do Velo de Ouro, Jason foi acompanhado por vários heróis, incluindo Hércules e seu escudeiro Hilas. Hércules e Hilas embarcaram com os Argonautas e já viajavam havia três dias quando o vento os empurrou para o Mar de Mármara. O vento parou e eles decidiram ir a terra firme. O local onde atracaram era uma ilha repleta de campos de flores e pântanos, com juncos e uma vegetação muito variada. Lá eles descansaram enquanto esperavam a noite.
Na hora do jantar, o jovem Hilas saiu para procurar água para Hércules. Ele a encontrou numa fonte tão grande que parecia um lago. Era um lugar lindo, tão lindo que havia atraído as ninfas que o chamavam de lar. Hilas, enquanto pegava a água, ouviu vozes cristalinas dizendo: “Desça connosco. Desça connosco”. As ninfas queriam tê-lo com elas, pois estavam maravilhadas com a sua beleza. O menino estava debruçado sobre a nascente, tentando ouvir bem o que as vozes lhe diziam e de onde vinham, quando longas mãos brancas o puxaram para a água.
Estava ficando cada vez mais escuro e Hércules começou a temer que algo mau tivesse acontecido a Hilas, então ele saiu na direção da fonte, gritando com todas as suas forças procurando o seu escudeiro. No entanto, a única resposta que o herói recebeu foi o eco das suas próprias palavras. Apesar disso, quando chegou à nascente, teve a impressão de ouvir a voz de Hilas, sem saber de onde vinha. Hércules continuou procurando incansavelmente pelo rapaz, desesperado e à beira das lágrimas. Mas nunca o encontrou.
Com o tempo e sem encontrar vestígios de Hilas, Hércules, pensando que aquela voz era produto de sua imaginação ou de algum ser mesquinho, foi ao lugar a que iam os Argonautas a pé. Hilas não sabia que Hércules havia partido e ficava chamando-o de: “Hércules, Hércules. Aqui estou!”. Por muitas noites, a sua voz continuou a soar.
Algum tempo depois, alguns caminhantes avistaram uma pequena criatura, de apenas alguns centímetros, ao lado da nascente. Ele usava túnicas verdes com um cordão de ouro, assim como o jovem pajem. Apesar do tamanho, sua voz soava tão alta como se as suas dimensões fossem bem maiores. E enquanto esses caminhantes passavam por ele, a criatura continuava gritando, como se chamasse por alguém.

Mito de Calisto

Calisto era uma das donzelas de Ártemis por quem Zeus se sentia muito atraído. Para a seduzir, ele se transformou em Artemis e conseguiu se relacionar com ela. Entre os mitos de Ártemis, conta-se que um dia a deusa percebeu que a barriga de Calisto estava ficando cada vez maior e perguntou a ela sobre isso. Calisto disse a Artemis que essa situação era, sem dúvida, culpa dela. Ao verificar que Calisto estava grávida e após a acusação, Artemis a expulsou do seu grupo. Depois disso, a notícia chegou a Hera que, furiosa ao saber que a criança pertencia ao seu marido, Zeus, a transformou em ursa.
Anos depois, Calisto, em forma de urso, estava vagueando pela floresta quando encontrou um caçador que por acaso era o seu filho. Quando o jovem viu que o urso se aproximava dele com a intenção de o abraçar, interpretou o gesto como um ataque e se preparou para acabar com a vida do animal. Zeus, que foi testemunha da situação, decidiu evitar uma tragédia e levou Calisto para o mais alto dos céus, onde se tornou estrela, a qual conhecemos hoje como Ursa Maior.

O mito de Cronos

Não poderíamos deixar de fora, na nossa lista de mitos gregos curtos, a história fundadora de toda a mitologia grega: o mito do ato canibal de Cronos. Na mitologia grega, Cronos é filho de Urano (o céu) e Gaia (a terra), um titã e pai dos deuses. Cronos destronou o seu pai e, casado com sua irmã Reia, assumiu o reino dos deuses.
Apesar de ser o maior dos titãs, após ter destronado o seu pai, Cronos sabia que não estava seguro: o seu destino era ser destronado por um dos seus filhos, pelo que Cronos recorreu ao canibalismo, engolindo todos os deuses que ele mesmo tinha gerado. No entanto, o sexto filho, Zeus, foi escondido pela mãe que o salvou do massacre. Após crescer e se tornar um deus, abriu o ventre do seu pai e libertou os seus irmãos. Após uma guerra cruel e prolongada, derrotou Cronos, que foi exilado no Tártaro.

O rei Édipo

O rei Édipo foi uma tragédia grega muito popular escrita por Sófocles. Mas antes da sua estreia, já nos últimos séculos da era helénica, era um grande mito grego. Édipo era filho de Laio e Jocasta, e quando ele nasceu foi profetizado a Laio, seu pai, que Édipo o mataria e se casaria com Jocasta, a sua própria mãe, tendo por isso sido abandonado num rio. Édipo sobreviveu e, depois de muitos anos, chegou a Tebas, cidade onde nasceu e onde conseguiu resolver os enigmas da esfinge que assolava a cidade. Mas, antes de encontrar a esfinge, Édipo encontrou um rei no caminho, no meio de um conflito, e sem saber quem era, matou-o. O rei era Laio, seu pai.
Depois de resolver o enigma da esfinge, Édipo tornou-se rei da cidade e casou-se com a viúva do falecido rei, Jocasta, sem saber que ela era a sua própria mãe. Assim se cumpriu a profecia que tinha sido feita a Laio, embora ninguém soubesse. Anos depois, quando toda a verdade foi revelada, Édipo arrancou seus olhos de terror.
Édipo incorpora uma verdade profunda da mitologia grega: ninguém pode escapar do seu destino, por mais que tente. Como Cronos e Zeus, Édipo acabou assassinando seu pai e, o que é pior, gerou filhos com a própria mãe. Uma tragédia grega em toda a sua glória e o mais sangrento dos nossos mitos gregos curtos.

O mito de Antígona

Nestes curtos mitos gregos podemos encontrar ainda o mito de Antígona, filha de Édipo. Após a morte do seu pai, a tragédia não abandonou a família: o irmão de Édipo foi feito rei de Tebas, mas antes desse evento, um dos filhos de Édipo se rebelou e outro morreu em combate. Um deles foi dado sepultado em terreno sagrado, de acordo com o mito grego, enquanto o outro, quando foi morto por violar a lei, não foi. Isso levou Antígona a também se revoltar, mas não por poder ou glória, acabou simplesmente por exigir que o corpo do seu irmão fosse devidamente enterrado.
Este é mais um daqueles curtos mitos gregos que terminam em tragédia, porque embora o rei, tio de Antígona, acabe mudando de idéias na disputa, ele o faz quando já é tarde demais. Antígona, no entanto, não entrou para a história por causa de seu infortúnio, mas como um exemplo de que deveria ser a moralidade, e não a lei, que prevalece quando a lei é prejudicial à moralidade. As discussões e reflexões que o mito de Antígona suscitou são válidas até hoje.

O Mito de Hércules

Herácles é mais conhecido como Hércules, devido ao popular filme, embora possa haver várias coisas que a Disney não disse na sua versão animada. Para começar, deve ser esclarecido que ele era filho de Zeus com uma mortal, Alcmena. O Hércules da mitologia grega era de fato bastante temperamental e tinha uma força que ultrapassava a de muitos deuses. No entanto, ele não era dotado de grande sabedoria e era terrivelmente rancoroso. Também gostava muito de vinho e mulheres, e muitos de seus grandes feitos aconteceram devido à sua grande raiva ou imprudência.
Como era filho de uma mortal, Hércules não teve permissão para viver no Olimpo, o que o deixou muito frustrado. Para além disso, sofreu os rancores da deusa Hera, que o atacou por ser o filho atrevido de seu marido, Zeus, com uma mortal. Isso levou Hércules a uma confusão tão grande que numa ocasião, cego pela deusa, ele até matou a sua esposa e os filhos, o que lhe causou uma grande dor.
Como ninguém o podia castigar, devido à sua enorme força, foi ele mesmo quem se penitenciou, praticando, acima de tudo, o autodomínio. Depois disso, para alcançar a imortalidade, teve se executar 12 tarefas extremamente difíceis que lhe foram impostas. Mais tarde essas tarefas se tornariam os mitos de Hércules, como matar a Hidra de Lerna ou capturar Cérbero, o cão do inferno, e tirá-lo do submundo. Após todas essas tarefas serem executadas, o que se julgava ser impossível, Hércules tornou-se imortal e um dos maiores mitos gregos.

A Caixa de Pandora

O mito de Pandora, o último de nossos 15 mitos gregos curtos, é fundamental para a mitologia grega. Pandora viria a ser o equivalente a Eva dentro dos mitos gregos: ela foi a primeira mulher, criada por Hefesto sob as ordens de Zeus, que lhe pediu para fazer com barro uma jovem mulher tão bela como as imortais. No entanto ela era dotada de um caráter inconstante e tinha vários vícios como mentiras e sedução. Essa era, para Zeus, uma forma de se vingar dos homens, e também de Prometeu, que lhes dera o fogo, porque, segundo o mito, antes da criação de Pandora os homens viviam felizes e em paz.
Como parte da sua vingança, Zeus apresentou Epitemeu, irmão de Prometeu, a Pandora. E ele, seduzido pela mulher, tomou-a como esposa. Como presente de casamento, Pandora recebeu uma caixa misteriosa que não deveria ser aberta em hipótese alguma. Porém, Pandora não resistiu à tentação e acabou por abrir a caixa. Esse era o plano de Zeus.
Dessa caixa escaparam todos os males do mundo, como a inveja e a luxúria, e nela restou apenas a esperança. É daí que vem a frase: Esperança é a última coisa a perder.
E com isso fechamos a nossa lista de 15 mitos gregos curtos.
O que você acha desses mitos gregos? Você sabe mais?
9

Sem comentários

Deixe aqui o seu comentário


Subscrever grátis

Subscreve a nossa lista de email e recebe artigos interessantes e actualizações comodamente na tua caixa de email.

Obrigado por nos subscrever.

Algo não correu bem...