Viagem ao Centro da Terra

Onde fica a entrada para o centro da Terra?

Viagem ao Centro da TerraQuando Júlio Verne escreveu o seu famoso livro “Viagem ao Centro da Terra”, colocou a entrada de tão inquietante lugar na mesmíssima boca do vulcão que aparece na foto. Desde então que este lugar se transformou num dos lugares emblemáticos mais visitados e fotografados pelos viajantes amantes de literatura e de fantasia.

Júlio Verne era um escritor com muita formação científica e documentava-se pormenorizadamente sobre tudo aquilo que escrevia. Por essa razão teria os seus motivos para escolher este lugar como a forma de aceder ao interior da Terra.

Mas onde é que fica a entrada para o centro da Terra? Neste artigo vamos saber tudo sobre a sua localização, história e geografia.

Júlio Verne

A entrada para o centro da Terra de Júlio Verne

A entrada para o centro da Terra fica na Islândia, mais propriamente num vulcão chamado Sneffels (Snæfell na língua local).

Este vulcão está inactivo desde o ano de 1219, o que fez Júlio Verne pensar que existiriam poucas probabilidades deste entrar em erupção quando os expedicionários entrassem nas suas entranhas.

Esta é a razão pela qual Júlio Verne decidiu que este podia ser o lugar ideal para o seu famoso livro.

entrada para o centro da Terra

Um nome confuso

Mas na realidade este país tem dois lugares com este nome na sua geografia: o monte Snæfellsjökull, famoso pelo seu enorme glaciar, e o Sneffels propriamente dito, com 1833 metros de altura e que fica na região oriental da ilha.

Na realidade são dois vulcões, mas o que é mais conhecido por esse nome é o mais alto dos dois que podemos ver nas fotos.

Sneffels

Sneffels na Islândia: uma grande beleza natural

Para além do seu interesse mítico e literário, este lugar vale a pena ser visitado porque é espectacular e tem uma vistas belíssimas.

Em teoria, o vulcão Sneffels está extinto, embora o mesmo se dissesse do seu “irmão” Chaitén no Chile, que entrou em erupção no ano de 2008 depois de um longo sono de mais de nove mil e trezentos anos.

Como medida de prevenção, talvez devêssemos admirar a sua beleza majestosa ao longe e deixar as viagens mais fantásticas para a imaginação dos grandes escritores.

Sem comentários

Deixe aqui o seu comentário

Os cookies ajudam-nos a fornecer os nossos serviços. Ao utilizar os nossos serviços, concorda com a utilização de cookies. Saber mais

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close