Categorias
Diversos

Deusa Morrigan : A Deusa Celta da Guerra, Morte e Destruição

A mitologia celta é um maravilhoso compêndio de fantasia enraizado em prados verdes e mares enfurecidos. Terras húmidas salpicadas por véus de névoa, salpicadas por estranhos monólitos monólitos de pedra onde se inscrevem símbolos circulares cheios de magia e enigmas. Hoje é a vez da deusa Morrigan: a deusa do prazer sexual, da reprodução, da vida e da morte. Junte-se a nós para saber mais sobre ela!

A história de Morrigan

As histórias celtas são baseadas numa mitologia politeísta originária da Idade do Ferro. Embora seja verdade que têm um contacto próximo com a cultura romana, galega e celtibérica, os celtas preservaram as suas próprias bases que lhes conferem um carácter sobrenatural único, sempre ligado às suas terras e tradições. É sempre gratificante saber um pouco mais sobre estas culturas antigas, por isso hoje falamos de Morrigan, uma das suas deusas mais importantes.
Morrigan é nada mais e nada menos do que a senhora das trevas da morte e da destruição. Uma mulher guerreira de grande beleza geralmente representada com uma armadura. Ela habita em todos os conflitos bélicos, em todas as guerras ou confrontos. Ela toma a forma de um corvo e voa sobre o fumo da batalha e o barulho da luta. O seu papel é incutir coragem nos soldados, e não só isso: dá-lhes também força, raiva e raiva.
O nome Morrigan significa Rainha Espectral, e sobrevive em muitos países anglo-saxónicos sob a forma de “Carrie” ou “Carrigan”. Embora esteja associada à morte e à guerra, ela também está ligada à renovação, ao amor e ao desejo sexual. Esta mulher guerreira simboliza tanto o fim como o início, o prazer e a violência. Um quadro sugestivo do universo celta impresso na figura sugestiva da deusa Morrigan, uma deusa dupla capaz de destruir e dar vida.
Esta deusa pertence à chamada Tuatha dé Danann, os principais seres mágicos que habitaram a Irlanda. Ela é uma divindade essencial associada por sua vez a Anu, o chamado “alimentador dos deuses”, e diz-se que está encarnada em Munster, Condado de Kerry, sob a forma de duas montanhas representando os seus seios.
Morrigan era amante de reis, e amava especialmente uma guerreira que não podia ter: Cuchulainn. Alguém que nunca se quis unir a Morrigan, ele rejeitou-a e muitas vezes lutou contra ela em vários campos de batalha, derrotando-a mesmo em qualquer das suas formas: lobo, águia, touro… até que, no final, Morrigan consegue tê-lo para si quando ele está prestes a morrer. Cuchulainn está em agonia amarrado a uma árvore quando desce sob a forma de corvo, para o atender, para aliviar o seu sofrimento dando-lhe a morte e levando-o para sempre ao seu lado.
Outro aspecto marcante sobre esta deusa foi o pânico que os soldados celtas tiveram por Morrigan. Sabiam que quando a sentiram, quando ouviram os seus passos e a sua voz no campo de batalha, era tempo de morrer. Como reagiram então os bravos guerreiros? Dando o seu melhor, lutando com mais coragem e bravura.  Desprezando a própria Morrigan e a morte que ela própria lhes trouxe.
Para os celtas, a morte não era o fim, mas sim um novo ciclo. Mas apesar disso, os guerreiros e soldados temiam aquela escuridão que Morrigan lhes trouxe, aquele instante de frio momentâneo que sofreram quando foram arrancados das suas terras, e daqueles belos lugares de névoa, pastagens e planícies, onde o mar tinha embalado as suas vidas de soldados. Morrigan foi o criador da vida, mas foi também ela que, com a subtileza das suas asas de corvo, rasgou o último suspiro dos bravos guerreiros.

O que é o símbolo celta da deusa Morrigan?

Há muitos símbolos em torno do carácter da deusa Morrigan, mas um deles é o central: o corvo. Como vos dissemos: Ela toma a forma de um corvo, voa sobre a batalha e a luta. Contudo, podemos contar a história de forma mais específica. O grande Morrigan tinha duas irmãs: Badb, Macha ou Nemain. Aparentemente, estas duas irmãs eram apenas uma das formas que Morrigan tomou. O facto é que foi Badb que tomou a forma de um corvo, especialmente durante as guerras e batalhas.
Outro símbolo da deusa é a destruição. É por isso que verá sempre imagens ou descrições narrativas dela em torno dos campos de batalha, tempestades e sangue. E é que uma das formas que toma a deusa Morrigan, o mesmo corvo, simboliza a guerra, o confronto, o sangue e, por fim, a morte que o acompanha. Foi por isso que os guerreiros relacionaram a chegada dos corvos ao campo de batalha com a chegada de Morrigan. Era considerada uma das deusas mais poderosas das mitologias europeias: a guerra era uma das acções mais óbvias no auge da cultura celta.
A grande rainha incutiu terror, razão pela qual o seu nome inclui a designação “mor”, que significava terror. Hoje em inglês esta palavra derivou em “maere”, e em escandinavo “mara” que significa pesadelo. Mas é outro símbolo que a deusa Morrigan pode adoptar, e muito mais no outro pólo de destruição e morte. Está também representada ao lado de campos verdes e húmidos, vida e reprodução. Macha é a sua forma relacionada com o poder feminino da fertilidade e da terra. No entanto, os homens que a desejavam e eram lascivos com ela, sem serem retribuídos, eram considerados bastante insensatos, pois teriam uma morte certa e dolorosa.

Características e poderes da deusa Morrigan

Que mais poderes do que decidir sobre a vida e a morte? Esta personagem era central na mitologia e cultura celta, e é que se não há vida, não há existência como a conhecemos: o mesmo acontece com o caso da morte. Herdou todos estes poderes da sua mãe, a deusa suprema Ernmas. Como é que ele decidiu a morte? Não foi tanto o trabalho com os mais velhos, mas com os guerreiros. Pois o seu poder era tornar-se um corvo no campo de batalha e decidir sobre a sorte dos guerreiros, sobre a sua vida ou morte.
Em qualquer caso, aqueles que se enfrentavam tinham muito respeito por esta deusa e pelas suas irmãs. E se ela não aparecesse, era muito difícil para os guerreiros terem raiva e força para lutar. É por isso que o Morrigu, como também é conhecida a grande deusa, é simbolizado com armas e armaduras. É muito interessante ver como estes poderes guerreiros se relacionam com as características de trazer abundância e fertilidade às terras que visita: ela é uma deusa bi-dimensional.
Lá se vai a nossa abordagem à deusa Morrigan, esperamos que tenha gostado e que deixe os seus comentários ou opiniões sobre este post na secção de comentários abaixo. Talvez nos possa dizer se tem quaisquer outros factos interessantes sobre esta deusa celta da vida e da morte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *