roupa de bebé

Porquê e desde quando a cor rosa é para as raparigas e o azul para os rapazes?

roupa de bebéQuando vemos um bebé vestido com roupa cor-de-rosa, a lógica diz-nos que se trata de uma rapariga, mas se for azul o mais provável é que seja rapaz, pois assim ditam as normas culturais.

Mas por que razão o rosa é usada pelas raparigas e o azul pelos rapazes? A verdade é que a atribuição destas cores para identificar um determinado sexo é relativamente nova e até há pouco tempo as coisas até eram ao contrário.

azul para rapazes

Desde quando e porquê a cor rosa é para as raparigas e o azul para os rapazes?

A cor rosa está associada ao sexo feminino e dificilmente iremos ver um garoto com roupa dessa cor, uma vez que o tom de vestuário dos rapazes é azul ou celeste.

Mas desde quando é que foi estabelecido que as cores do vestuário deviam ser assim para os dois sexos?

A maioria dos pais começa a comprar e a receber como prenda roupas de bebé antes destes nascerem. E, graças às ecografias modernas é possível saber se rapaz ou rapariga com bastante antecedência.

Até inícios do século XX os pais vestiam rapazes e raparigas de branco durante os seus primeiros anos de vida. Usava-se até a mesma roupa, não importando o sexo, pelo que não era de estranhar ver um bebé do sexo masculino com um vestido branco.

Com o passar do tempo os fabricantes de roupa descobriram que podiam vender mais se existissem cores e vestuário diferentes para raparigas e rapazes, tendo começado a fabricar roupa para bebés de diferentes cores.

Em 1927 a revista Time publicou um esquema de cores sugeridos pelas lojas de roupa para criança. O rosa seria para os rapazes e o azul para as raparigas. Desta forma, esperava-se que os pais não reutilizassem o vestuário dos rapazes para as raparigas e vice-versa.

rosa para raparigasQuando chegou a década de quarenta, os criadores e fabricantes de roupa deram volta ao esquema de cores, tendo associado o rosa às raparigas e o azul aos rapazes. E foi assim que nos anos seguintes os ícones da moda feminina apareceram com vestidos cor-de-rosa como foi o caso de Jackie Kennedy Onassis e Marilyn Monroe.

O marketing e a possibilidade de saber logo qual era o sexo das crianças fez com que a indústria de vestuário infantil aproveitasse esta relação entre sexo e cores para vender mais, uma vez que um rapaz vestido de rosa (não importa a idade) tinha uma conotação cultural negativa que se começou a tornar mais mercante na década de 1980.

Os pais viram-se assim obrigados a comprar roupa nova se tivessem um rapaz e depois uma rapariga e vice-versa, o que fez aumentar as vendas de vestuário com esta manobra de marketing.

Sem comentários

Deixe aqui o seu comentário

Os cookies ajudam-nos a fornecer os nossos serviços. Ao utilizar os nossos serviços, concorda com a utilização de cookies. Saber mais

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close