vampiros

Como eram enterradas as bruxas e os vampiros?

bruxasAs bruxas foram em muitos períodos da história perseguidas, condenadas e executadas. E quem era considerada bruxa? Na maior parte, eram principalmente mulheres solteiras que se dedicavam a fazer remédios caseiros.

Mitos e lendas à parte, grande parte destas mulheres eram uma espécie de “parafarmacêuticas” que preparavam pomadas, medicamentos e poções para aliviar os males alheios. Esta prática de medicina alternativa representou a pena de morte para muitas mulheres que devido aos motivos mais diversos, a sociedade começou a temer.

Não há muito tempo, o esqueleto de uma suposta bruxa foi encontrado em Piombino, uma localidade próxima de Lucca, na Toscânia italiana. Uns arqueólogos que trabalhavam na zona encontraram uns ossos de mulher com cerca de 800 anos. Chamou especialmente a atenção o facto de a defunta ter sido enterrada com sete pregos na mandíbula. Não havia sudário, nem urna. Foi enterrada como se de uma besta se tratasse. Perto do esqueleto encontraram mais pregos que, supostamente, teriam sido incrustados nas suas vestimentas para que segundo as crenças da altura, a bruxa não pudesse ressuscitar, nem continuar a semear a semente do mal no mundo.

Por outro lado, não muito longe dali, foi feita uma segunda descoberta: outro esqueleto, também pertencente a uma mulher, e rodeado por 17 dados. Em Itália, o número 17 é sinal de má sorte. Se a isto acrescentarmos que durante a Idade Média as mulheres estavam terminantemente proibidas de jogar aos dados (assim como a outros jogos de azar), torna-se verosímil a hipótese dos arqueólogos que defendem que esta descoberta foi, nada mais, nada menos, do que a cena de um exorcismo.

vampirosMas não estamos a falar sobre factos isolados. Parece que Itália foi em determinada altura, terra de bruxas (e consequentemente de caçadores de bruxas). Mas foi também terra de vampiros e vampiras. Há alguns anos, na ilha de Lazaretto Nuovo, na Laguna de Veneza, foram descobertos os restos mortais de uma mulher do século XVI que foi enterrada com um tijolo na boca. De acordo com as crónicas da época, a região foi devastada por uma epidemia de peste bubónica.

Evidentemente que a peste fez muitos mortos. Se algum destes mortos parecia ter estado a comer o sudário, era imediatamente declarado como sendo um vampiro e segundo os costumes medievais da região, devia ser enterrado a morder um tijolo.

Bruxas e vampiros parecem estar apenas presentes nos livros de ficção e filmes na televisão. No entanto, fazem parte não só do imaginário colectivo da sociedade, como também da história da humanidade, uma humanidade que durante séculos condenou todos quantos estavam fora dos parâmetros normais da época.

Sem comentários

Deixe aqui o seu comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.


Subscrever grátis

Subscreve a nossa lista de email e recebe artigos interessantes e actualizações comodamente na tua caixa de email.

Obrigado por nos subscrever.

Algo não correu bem...