premios ig nobel

As investigações mais ridículas – Ig Nobel de 2012

premios ig nobelHá poucos dias foram entregues os prémios Ig Nobel das investigações mais absurdas do ano.

O Ig Nobel em Psicologia foi parar às mãos dos holandeses Anita Eerland, Rolf Zwaan e ao investigador Túlio Guadalupe (Peru), por demonstrar que inclinar-se para a esquerda faz parecer que a Torre Eiffel em Paris pareça ser mais pequena.

E pela dedicação ao estudo dos salpicos de um líquido, para entender o que acontece quando uma pessoa caminha com um copo de café (e porque salpica), ao russo Rouslan Krechetnikov e a Hans Mayer, dos Estados Unidos, a quem foi atribuído o Ig Nobel em Dinâmica de Fluidos.

Noutra área, o conhecido etólogo Frans de Waal e a americana Jennifer Pokorny ganharam o Ig Nobel da Anatomia por demonstrar na “Advanced Science Letters” que os chimpanzés conseguem identificar os outros da sua espécie apenas vendo fotografias dos seus traseiros.

O prémio Ig Nobel da Medicina foi directamente para um estudo publicado no “World Journal of Gastroenterology”, e levado a cabo pelos franceses Emmanuel Ben-Soussan e Michel Antonietti, onde deram algumas recomendações aos médicos que fazem as colonoscopias para minimizar as probabilidades de os seus pacientes sofrerem uma “explosão de gases” durante o procedimento.

O Ig Nobel da Física foi atribuído aos investigadores americanos e britânicos que calcularam o equilibro de forças que dá forma e movimento ao cabelo humano quando está recolhido em forma de rabo-de-cavalo.

A empresa SKN da Rússia ganhou o Ig Nobel da Paz por ter convertido velhas munições russas em diamantes, e o sueco Johan Pettersson foi premiado com o Ig Nobel da Química por averiguar o que fazia com que ficasse verde o cabelo de certos habitantes da cidade de Anderslöv, e os japoneses Kazutaka Kurihara e Koji Tsukada obtiveram o galardão no campo da Acústica por inventar o “SpeechJammer”, um aparelho que interrompe o discurso de uma pessoa -quando fica demasiado chata- fazendo-a escutar as suas próprias palavras com um ligeiro atraso.

Em relação ao Ig Nobel das Neurociências, foi para as mãos dos americanos Craig Bennett, Abigail Baird, Michael Miller e George Wolford por terem demonstrado que os investigadores do cérebro, através do uso de complicados instrumentos e simples estatísticas, conseguem detectar actividade cerebral significativa em qualquer lado, inclusivamente num salmão morto.

Sem comentários

Deixe aqui o seu comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.


Subscrever grátis

Subscreve a nossa lista de email e recebe artigos interessantes e actualizações comodamente na tua caixa de email.

Obrigado por nos subscrever.

Algo não correu bem...