As sete vidas dos gatos

sete vidas dos gatos“Os gatos têm sete vidas”. Esta frase faz parte do imaginário colectivo da sociedade actual. Um refrão, uma frase feita… Seja o que for, o certo é que os gatos sobrevivem a quedas e acidentes que mataria tanto um ser humano como outros animais. Quem nunca ouviu alguma anedota ou relato de um gato que sobreviveu a uma queda de grande altura sem ter sofrido quaisquer feridas graves (ou até mesmo saído ileso).

“Síndrome de queda de grande altura”, também conhecido por “Síndrome do gato pára-quedista”, assim é chamado pelos especialistas veterinários, para quem esta “pseudo imortalidade” felina tem sido objecto de numerosos estudos, onde são relatados, por exemplo, acidentes com gatos que caíram de alturas de 32 pisos de altura e sobreviveram com poucas mazelas. Foi desta forma demonstrado que a maioria dos gatos consegue sobreviver a este tipo de quedas.

O segredo do êxito dos gatos reside, em grande parte, na sua sobejamente conhecida capacidade de se virarem e assim conseguirem aterrar sobre as patas. Se no entanto caírem de alturas com menos de seis metros, por exemplo, os gatos preparam-se para a queda.

Isto faz com que muitas vezes quando aterram no solo, façam roturas nas patas. Acima dos seis metros, os gatos relaxam, esticam as pernas e, por conseguinte, aumentam a sua resistência aerodinâmica. Assim, caiam de um oitavo ou de um vigésimo andar, o corpo do animal, consciente ou inconscientemente, prepara-se para a aterragem “voando” a uma velocidade de cerca de 105 km/h.

Os seres humanos não são assim tão hábeis para realizar semelhantes acrobacias e numa queda semelhante, a velocidade é o dobro e a energia do impacto o quadruplo. Não admira neste caso a expressão “feito numa panqueca”.

loading...

Deixe o seu comentário

Detectámos que tem um Ad Blocker ativo.

As receitas provenientes da publicidade permitem-nos continuar a produzir artigos de qualidade. Considere desligar o Ad Blocker neste site. Obrigado pelo seu apoio.

Refresh